Segunda-feira
14 de Junho de 2021 - 
Você tem garantias e direitos, portanto, conte com o seu advogado de confiança para defendê-lo (a)

Acompanhamento Processual

Acesso ao controle de processos

Notícias

INSTITUCIONAL: Reint1 debate uso da IA, digitalização e migração de processos e infraestrutura do PJe

Durante reunião da Rede de Inteligência da 1ª Região (Reint1), realizada nessa terça-feira, 8 de maio, os juízes federais auxiliares da Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Adriano da Silva Araújo – do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) – e Rafael Leite Paulo – da 9ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso (SJMT) – falaram sobre tecnologia aplicada ao Poder Judiciário. Os magistrados abordaram a importância da qualidade da digitalização de processos físicos e da migração desses para o Processo Judicial Eletrônico (PJe) e da qualidade da infraestrutura para o bom funcionamento do PJe, bem como esclareceram o funcionamento do PJe e a utilização de Inteligência Artificial (IA). Quem conduziu o encontro foi o juiz federal auxiliar da Corregedoria Regional da Justiça Federal da 1ª Região (Coger) Náiber Pontes de Almeida. O magistrado fez uma breve apresentação dos palestrantes e passou a palavra ao juiz federal Adriano da Silva Araújo, que contou a experiência com a digitalização do acervo da comarca de Parelhas, no Rio Grande do Norte, de onde é titular. Adriano explicou que o PJe não apresenta uma solução única para a digitalização e, portanto, “os tribunais foram adotando a sua própria solução”. Sobre a qualidade da infraestrutura do Sistema, o magistrado falou sobre a recorrência dos chamados relatando instabilidade e lentidão do PJe. De acordo com Adriano, isso se deve a vários motivos, como o fato de se tratar de um sistema antigo, que começou a ser desenvolvido em 2009. O juiz de direito ainda explicou outros pontos que dificultam a utilização do PJe, tais como gerar documentos em PDF, acessar banco de dados, executar procedimentos de escrita, realizar operações de consulta, entre outros. PJe e Inteligência Artificial – O juiz federal Rafael Leite Paulo abordou o funcionamento do PJe e a utilização de Inteligência Artificial a partir do exemplo do projeto Codex do CNJ, que possibilita a extração automatizada de dados do PJe. “Todos os projetos de IA vêm com a necessidade de uso de uma massa de dados muito grande para poder treinar os modelos de Inteligência Artificial”, explicou o magistrado, reforçando que um projeto de infraestrutura básica com a capacidade de atender não somente ao usuário final, mas também aos sistemas computacionais é um dos grandes desafios para o desenvolvimento de IA. Para Rafael Paulo, o projeto que atende a essas necessidades é o Codex, “que tem como finalidade pegar as informações do processo, os chamados metadados, e, além disso, agregar ao conteúdo dos atos judiciais”. O juiz federal ressaltou que o Codex está em etapa de implantação e os tribunais precisam começar a capacitar as equipes para utilizá-lo, recomendando que o conhecimento na área não seja limitado apenas aos profissionais de Tecnologia da Informação, mas também envolva magistrados. Sinapses – Falando em tecnologias já disponíveis, o CNJ estabeleceu o “Sinapses” como a Plataforma Nacional de IA do Poder Judiciário. Segundo Rafael, “a finalidade dele não é ser um modelo de IA, e sim hospedar os modelos de IA desenvolvidos pelo Judiciário e aplicá-los no dia a dia”. A ideia é que as equipes dos tribunais utilizem as massas de dados que estiverem à disposição e hospedem no Sinapses. A plataforma está disponível para todos os tribunais que utilizam o PJe e otimiza a realização de tarefas repetitivas, ao mesmo tempo em que garante maior segurança e respaldo para se minutar um processo. É uma plataforma para desenvolvimento e disponibilidade em larga escala de modelos de IA. Por meio dela, o processo de entrega dos modelos é acelerado em uma escala infinitamente superior ao sistema tradicional. O objetivo é prover uma série de modelos para utilização no PJe, possibilitando utilização pelas persas versões, e a intenção é que cada tribunal construa os próprios modelos, compartilhem-nos e também utilizem modelos de outros tribunais. O coordenador da Reint1, desembargador federal Carlos Augusto Pires Brandão considerou que “a manhã foi muito elucidativa e provocadora para justificar outras reuniões”. Brandão finalizou o encontro parabenizando os palestrantes pelas apresentações. A próxima reunião da Reint1 ocorre na terça-feira, 15 de junho. RF/LS, com informações do CNJ. Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região  
09/06/2021 (00:00)

Contate-nos

Rodovia Transamazônica  20
-  Novo Horizonte
 -  Pacajá / PA
-  CEP: 68485-000
+55 (91) 991040449+55 (94) 991349347+55 (91) 37981042
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.